Um carinho que faz bem

A massagem estimula o organismo, protege de doenças e ainda proporciona momentos de interação entre a mamãe e o bebê

1 a 4 meses

Saúde

Tem gente que morre de medo de pegar um bebê novinho no colo. E é claro que ele precisa de todo o cuidado. Mas saiba que os bebês podem (e devem!) ser tocados e acariciados. O toque delicado, que pode ir se desenvolvendo de forma natural, ajuda a criança a se sentir mais calma e a crescer mais equilibrada e menos ansiosa. A massagem também estimula e favorece o desenvolvimento físico, motor, neurológico e intelectual.

A massagem feita pela mãe ou pelo pai em seu bebê, em um lugar calmo e tranquilo, pode ser um dos momentos em que o vínculo especial entre os dois se fortalece.  Além disso, é uma oportunidade para conhecer ainda melhor como seu bebê se comunica, já que é por meio do tato que o bebê percebe a si mesmo e o mundo nos primeiros meses de vida.  

Fazer massagem regularmente em seu bebê também ajuda a aliviar cólicas, constipação, congestão nasal e, até, o incômodo com o nascimento dos dentes. Consequentemente, melhora a qualidade do sono e estimula o sistema imunológico: ficando mais relaxado e dormindo melhor, o bebê fica menos vulnerável às doenças.

 

Dicas para massagear o bebê

  • Deixe o local da massagem aquecido e com iluminação amena.
  • Separe tudo o que você vai precisar: óleo de massagem, toalha, fraldas e roupinhas limpas.
  • Escolha um momento em que seu bebê não esteja com muita fome ou tenha acabado de comer, e de preferência antes do banho; prefira fazer a massagem sempre no mesmo período do dia, para virar rotina.
  • Tente respirar tranquilamente por 10 ou 15 minutos, para acalmar-se antes da massagem.
  • Observe o comportamento do bebê, e veja como ele se sente mais confortável. Por exemplo, os mais novos podem se sentir mais seguros se ficarem de roupinha e mais próximos do corpo da mãe ou do pai.

 

Técnica milenar

Os benefícios da massagem são conhecidos há milhares de anos.  A técnica mais famosa é a Shantala, nascida na Índia, sugere a necessidade de ser praticada desde o primeiro mês de vida do bebê.  Assim como trocar fraldas e amamentar, massagear os bebês é parte da rotina diária das mamães indianas: duas vezes por dia elas deitam os bebês sobre as pernas e os massageiam por cerca de 20 minutos.

 

Artigos Relacionados

Bem me quer...

Não é hora para rivalidades. Pai, mãe e também avó, tia, babá, irmãozinho – há lugar para todos no universo afetivo do bebê.

Com seis semanas de vida, feto já reconhece sua voz

Conversar com a barriga? Não é loucura, ao contrário! É assim que o bebê começa a conhecer seus pais.

Criação de vínculo do primeiro minuto de vida até o primeiro ano

Essa fase é fundamental para a criação de vínculos afetivos que serão determinantes para a saúde emocional da vida inteira.