Tão ruim quanto um tapa

Violência psicológica contra bebês e crianças não deixa marcas físicas, mas pode causar enormes estragos ao desenvolvimento.

5 a 8 meses

Comportamento

Muitos pais se orgulham – com razão – de criar os filhos sem jamais levantar a mão contra eles. Mas essa não é a única forma de violência.

Gritar e deixar a criança sozinha e sem atenção como forma de “castigo” são atitudes que, em alguns casos, são mais agressivas e prejudiciais do que a palmada (a qual, aliás, é proibida por lei, mesmo dentro de casa).

O medo e a insegurança gerados por essas situações fragilizam a saúde física e emocional das crianças e provocam atrasos em todos os aspectos do seu desenvolvimento, principalmente na fala e no domínio da linguagem.

Paciência é palavra-chave na educação de um bebê. Quanto mais novinho ele for, mais depende de tempo para absorver informações. Afinal, primeiro precisa aprender como o mundo funciona para, então, entender o que se espera dele.

Até lá, vai repetir – e repetir e repetir – gestos e atitudes incansavelmente. Alguns serão engraçadinhos, outros irritantes, mas nenhum será para desafiar a autoridade dos pais. Mesmo quando faz algo que ele “sabe” que não pode, é para se certificar de como as coisas funcionam. Gritos e reações exageradas diante dessas insistências inocentes servem apenas para assustar e confundir – ou, pior, gerar medo e insegurança. Basta seguir dizendo um “não” firme, sem palavras bruscas nem alterações de voz.

Artigos Relacionados

Maus tratos contra crianças é crime!

E bater não é a melhor maneira de educá-las. Veja por quê.

Criança estressada aprende menos

Pesquisas revelam que o estresse é tóxico para as células do cérebro

Recuperando o controle

Brincar é muito bom e o bebê, claro, quer sempre mais e mais. Quando a empolgação passa dos limites, é hora de pisar no freio.