Os primeiros passeios do bebê

Shoppings e outros lugares fechados não são lugares para recém-nascidos. Prefira lugares abertos e arejados, para evitar doenças

1 a 4 meses

Saúde

Os primeiros dias com o bebê em casa são vividos em meio a um turbilhão de sentimentos e atividades. É difícil encontrar hora para dormir, comer e até para tomar banho! Depois, aos poucos, a mamãe vai se tranquilizando, a rotina vai se estabelecendo e sobra até um tempinho para passear. E isso é ótimo tanto para a mamãe quanto para o bebê. Ambos precisam de momentos de relaxamento, ar puro e sol. Mas é preciso tomar certos cuidados para que os primeiros passeios do bebê lhe tragam apenas bem-estar.

Não existe uma data exata para que o recém-nascido possa sair para passear. Os primeiros passeios podem ser uma caminhada de meia hora em ambiente arejado e tranquilo, como a pracinha do bairro, por exemplo. Passeios de carro também são permitidos, e trazem um benefício adicional: o balanço e o movimento pode ajudar seu bebê a dormir.

Contudo, lugares muito poluídos e cheios de gente podem expor o bebê a infecções.  Lembre-se de que o sistema imunológico do recém-nascido, ou seja, sua capacidade de se defender de agentes infecciosos como vírus e bactérias, ainda não funciona plenamente. Ele nasce com algumas das imunidades de sua mãe e, com o tempo, irá desenvolver as suas próprias.  Por isso, além de escolher muito bem o lugar onde passear com o bebê, fique atenta ao calendário de vacinação e não deixe de amamentar: o leite materno possui anticorpos que vão ajudar a fortalecer o sistema imunológico do bebê.

 

No calor, boa hidratação e cuidado com o sol

Sol faz bem, mas apenas por 15 minutos e de manhã bem cedinho: antes das 9 horas da manhã (e em algumas regiões do país, mais quentes, só antes das 7 ou 8 horas!). Mesmo sob um guarda-sol ou barraca de praia, ele fica sujeito aos raios solares e, quando exposto ao calor, pode se desidratar rapidamente. Por isso, para evitar a desidratação, em locais muito quentes deve-se amamentar com maior frequência. E lembre-se: não se recomenda o uso de protetor solar em crianças com menos de seis meses de idade, para prevenir intoxicações ou alergias.

 

No frio, reforço na higiene e cuidado com aglomerações

Na época de frio, quando a temperatura está mais baixa, as pessoas tendem a ficar mais em ambientes fechados, onde o ar não circula, o que favorece a concentração de micro-organismos. E isso, somado ao fato de que a baixa temperatura do corpo faz com haja uma queda na imunidade, é um prato cheio para as infecções. Por isso, nos dias frios deve-se fazer passeios ao ar livre com cuidados, buscando manter as mãos sempre limpas (lavando ou usando álcool gel) e o bebê agasalhado adequadamente. Evite que pessoas nas ruas toquem ou beijem seu bebê, especialmente se mostrarem sinais de gripe ou outra doença.O aleitamento materno é outra importante medida para fortalecer a resistência do bebê.

 

Com que roupa ele vai?

Nada de exagero! A roupa do recém-nascido deve estar de acordo com a temperatura de ambiente. Em um lugar mais quente e sem muita ventilação, agasalhar demais o bebê provocará uma hipertermia, isto é, um aumento da temperatura corporal, que pode ser até confundido com febre. Já nos ambientes frios, você deve proteger um pouco mais, para que ele não se resfrie. Fique atenta aos sinais: bochechinhas e cabeça quentes podem ser sinal de calor e excesso de roupa. Pés gelados indicam falta agasalho. Veja mais dicas aqui

 

Cuidado com o umbigo!

Se o umbiguinho ainda não caiu, você deve tomar cuidado para que ele não sofra nenhum machucado ou contaminação. Proteja o umbigo, sem usar faixas ou curativos, nem substâncias que possam umedecer a região.

Artigos Relacionados

A lei está a seu lado para garantir a segurança do bebê

Todo cuidado é pouco na hora de pensar na segurança das crianças.

Nem tudo o que acontecia no passado vale agora

A ciência é dinâmica e, ano após anos, tem feito descobertas que reformulam o jeito de cuidar do recém-nascido. Afinal, sempre se pode aprender coisas novas!

Não basta ser pai...

... tem que participar e muito! Pesquisas mostram que o bebê só tem a ganhar quando tem um relacionamento forte com a figura paterna