O poder do amor no desenvolvimento cerebral do bebê

Atitudes carinhosas promovem, especialmente nos primeiros anos de vida, alterações físicas no cérebro com repercussões positivas para o resto da vida

1 a 4 meses

Desenvolvimento

A partir da II Guerra Mundial, e em particular desde a década de 1950, os cientistas começaram a observar que a privação materna durante a infância poderia levar ao desenvolvimento de adultos deprimidos, hostis, violentos e com problemas para se relacionar de maneira saudável com outras pessoas. Posteriormente, na década de 70 vários pesquisadores mostraram que o rompimento da ligação entre macacas e seus filhotes resultava em comportamentos violentos quando estes se tornavam adultos.

Hoje se recomenda uma educação segura, empática, rica em afeto e amor, visando criar laços familiares ricos e mais estreitos e, assim, um mundo mais compassivo para o bebê. Existem oito princípios que promovem o apego saudável e seguro entre o cuidador e a criança, que são chamados de Princípios para uma Educação Intuitiva (veja aqui)

  1. Preparar-se verdadeiramente para a gravidez, parto e maternidade/paternidade

  2. Alimentar seu filho com amor e respeito

  3. Responder às solicitações da criança com sensibilidade

  4. Estar atento à qualidade do toque

  5. Prezar pela qualidade física e emocional do sono da criança de forma que ela se sinta segura dormindo

  6. Manter atitudes carinhosas

  7. Praticar a disciplina positiva, baseada no reforço das boas atitudes

  8. Buscar o equilíbrio na vida familiar

O padrão de apego desenvolvido pela criança em relação à mãe é influenciado por fatores constituintes da personalidade de cada um desse par e interfere no desenvolvimento social e emocional do indivíduo, até a vida adulta.

Um apego seguro se desenvolve com base em relações estáveis, confiáveis, afetivas, consistentes com pelo menos um cuidador (a), de preferência a mãe. O parto natural, a amamentação prolongada, o bom cuidado materno na infância, um ambiente tranqüilo e amoroso favorecem este desenvolvimento saudável. Entretanto, não existem regras ou padrões rígidos a serem seguidos e a forma de tratar os bebês tem muito a ver com a cultura familiar que, dentro dos limites do bom senso, deve ser respeitada.

É fundamental saber que a qualidade do afeto que as crianças recebem tem estreita relação com quem ela vai se tornar no futuro. As pessoas tendem a dar aquilo que receberam.  A maioria dos estudos foi feita com mães, mas acredita-se que resultados similares possam ser obtidos também com outros cuidadores como o pai, os avós, familiares entre outros.  Você que se importa com a qualidade das pessoas que estão ingressando agora no planeta e que estamos deixando no mundo, com a qualidade da saúde mental, emocional e social de seus filhos e com a qualidade de vida que eles terão no futuro e vê na criança algo além de um pequeno corpo, vê nele uma vida a se realizar, uma infinita possibilidade de amor e de crescimento, vê um mundo em seu constante vir-a-ser fará bem em ler as contribuições de John  Bowlby sobre apego na primeira infância. Hoje a ciência já tem condições de mostrar onde e como as mudanças acontecem nos indivíduos criados com amor. Os estudos atuais mostram que há uma clara relação entre os fatores psicossociais da infância e alterações no tamanho do hipocampo e da amígdala cerebral (estruturas cerebrais relacionadas à memória de curto e longo prazo e ao comportamento emocional).

Isso mostra que existe, realmente, uma ligação entre as experiências afetivas que a criança vive na infância, os modelos e exemplos que lhes são oferecidos e a forma como seu cérebro se desenvolve e aos diferentes padrões de resposta ao estresse. Observa-se que crianças emocionalmente saudáveis apresentam hipocampos maiores, quando comparados às crianças deprimidas, e isso está relacionado ao grau de cuidado materno recebido quando eram menores.

Essa é uma área na qual quanto mais você der, mais irá receber. Não só você, mas toda a sociedade. Amor, afeto, carinho, atenção, respeito, cuidados, bons exemplos e, ao mesmo tempo, limites, interdição dos comportamentos disfuncionais, disciplina, ritmos, regras claras serão “temperos” fundamentais na construção do “tempera....mento” de seu filho.

 

Veja também

Edward John Mostyn Bowlby importante psicólogo, psiquiatra e psicanalista britânico, nascido em 1907, tornou-se notável por seu interesse no desenvolvimento infantil e por seu trabalho pioneiro na teoria do apego. Leia mais detalhes sobre sua vida e trabalho aqui.

Artigos Relacionados

Criança estressada aprende menos

Pesquisas revelam que o estresse é tóxico para as células do cérebro

Quando tudo fica com a cor da tristeza

A melancolia pós-parto, também chamada de “blues puerperal” é muito mais comum do que você pensa. Veja como lidar com ela.

Só melhora com o uso

Mais de cem bilhões de neurônios à espera de trabalho. Este é o cérebro do seu bebê, mais fortalecido e eficiente quanto mais estimulado.