O bebê já fica em pé

13 a 18 meses

Educação

Conforme os bebês amadurecem, seus cérebros passam por processo no qual as células do cérebro, os chamados “neurônios”, desenvolvem-se pelas experiências que envolvem repetição, imitação e brincadeiras. Por isso é tão importante ajudar o nenê a consolidar as experiências já conhecidas.

É preciso ter equilíbrio e qualidade nos estímulos que os cuidadores próximos e o ambiente oferecem ao bebê. Para isso, permaneça fisicamente disponível e atento ao lado do bebê, supervisionando, enquanto ele explora à vontade os espaços da casa e dos novos ambientes.

Nessa fase, o bebê gosta de ficar em pé. Sua percepção visual do ambiente que o cerca na posição em pé é ampliada em quase meio metro. É fascinante ver o mundo de cima. Permita que o bebê ande descalço no chão revestido com um tapete, para que ele aprenda a usar os dedos, a sola do pé e o calcanhar e seus pezinhos vão assumindo seu formato natural. Não troque essa situação por um andador!

Olha só o que ele pode fazer nessa fase:

  • Ficar em pé.
  • Andar com apoio (use moveis baixos e seguros para que ele se apoie)
  • Pode dar alguns passos sem ajuda.
  • Se já anda, pode continuar ainda a engatinhar.
  • Quando está sentado, pode se levantar rapidamente sem apoio.
  • Segura e solta objetos e brinquedos. Já demonstra preferência por uma das mãos para pegar objetos.
  • Faz rolar uma bola quando é jogada para ele.
  • Coloca e tira brinquedos e objetos de uma caixa ou de um cesto.

Artigos Relacionados

Olhe quem está sorrindo!

Primeiro é o choro a principal forma de expressão do bebê... De repente, o sorriso ilumina e amplia sua capacidade de comunicação.

Estimular o bebê é fundamental; saiba quanto e como fazer isso

Bebê que recebe estímulos desde cedo se desenvolve melhor. Mas, evite exageros!

A brincadeira no dia a dia do bebê de 6 a 12 meses

Dá para brincar com um bebê tão novinho? Sim, e bastante! Veja como diverti-lo – e se divertir junto com ele!