Maus tratos contra crianças é crime!

E bater não é a melhor maneira de educá-las. Veja por quê.

13 a 18 meses

Jurídico

“Eduque a criança para que não seja necessário punir o adulto”. Dizem que foi o filósofo grego Pitágoras quem primeiro disse essa frase. E ele estava certíssimo! Corrigir e dar limites é um ato de amor. Mas muita gente acaba confundindo correção com maus tratos. Você pode achar que dar uma palmadinha no bumbum não é o mesmo que maltratar uma criança. Mas, em muitos casos, essa palmadinha é apenas o primeiro passo de uma série de agressões que vão acontecer ao longo de toda a infância.

São frequentes os casos de crianças que chegam aos postos médicos com marcas na pele e lesões provocadas por murros, tapas, surras, fios e até queimaduras por cigarro, ferro elétrico e água fervendo.  Se você souber de alguma criança que está sofrendo de maus tratos assim, saiba que pode denunciar à polícia ou ao Conselho Tutelar. Nos casos mais graves, os pais podem até perder a guarda criança.

 

Só uma palmada, também é crime?

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) condena os maus tratos contra crianças, mas o texto não dizia se essa violência seria física ou emocional. Até que veio a chamada “Lei da Palmada” (Lei 2.654/03) para esclarecer a questão e garantir que as crianças possam crescer sem sofrer castigos físicos. Segundo essa lei, os pais podem, sim, ser advertidos ou punidos se fizerem uso da palmada contra seus filhos.

Contudo, o principal objetivo da Lei não é punir, mas orientar os pais e estimular um amplo debate na sociedade sobre a educação de crianças. Será que a palmada é, mesmo, uma boa forma de correção? Os educadores dizem que não. Bater numa criança não vai propiciar consciência e aprendizado. Vai, apenas, estimular sentimentos como medo, raiva e mágoa – muitas vezes, para toda a vida.

Segundo os educadores, a melhor forma de educar crianças é agindo de maneira educada com elas, ou seja, tratando-as com respeito e carinho – o que é bem diferente de mimá-las ou atender a todos os seus caprichos e desejos. Um “não”, quando necessário, pode ser dito de maneira firme e segura. Mas não precisa ser acompanhado nem de um tapa ou um grito.

 

Violência psicológica

Gritar, xingar e humilhar uma criança também são formas de violência. Elas não machucam o corpo, mas deixam marcas na memória para o resto da vida. Se você quer um filho que respeite os outros e fale com educação, dê o exemplo.

 

Artigos Relacionados

Tão ruim quanto um tapa

Violência psicológica contra bebês e crianças não deixa marcas físicas, mas pode causar enormes estragos ao desenvolvimento.

Tire suas dúvidas sobre a guarda compartilhada

A lei mudou recentemente e, na teoria, pai e mãe precisam, obrigatoriamente, dividir todo o tempo e responsabilidades com os filhos, mesmo após a separação.

Com quem o bebê vai ficar quando acabar a licença-maternidade?

Em casa ou na creche, com babá ou parente, o importante é que o bebê fique bem cuidado e a família, tranquila.