Depressão pós-parto masculina

Provavelmente você nunca ouviu falar sobre isso. Mas a depressão pós-parto masculina existe e precisa ser discutida

Gravidez

Comportamento

Pesquisas recentes mostram que a depressão pós-parto (DPP) masculina atinge 10,4% dos pais, especialmente entre o 3º e o 6º mês pós-parto. Os estudos apontam também, que, quando a esposa está deprimida, o índice dobra, ou seja, a cada 100 esposas com depressão pós-parto, 50 homens apresentam a DPP.

Alguns dos sintomas mais comuns dessa doença são irritabilidade, tristeza, isolamento, choro, pensamento suicida, insônia ou hipersônia (sono em demasia), falta de apetite e dificuldade de relacionamento com os filhos. É preciso, porém, ficar atento a outros possíveis sintomas como trabalhar demais, assistir TV ou praticar esporte em excesso, exagerar no consumo de bebidas alcoólicas, ferir-se ou sofrer acidentes com frequência. Também são sinais suspeitos a automedicação, a agressividade e a prática de atos impulsivos, como casos extraconjugais ou abandono da família no pós-parto.

Por causar grande sofrimento ao pai e colocar em risco a família e o desenvolvimento do bebê recém-nascido, o diagnóstico precoce é muito importante. No entanto, alguns fatores dificultam esse diagnóstico:

  • cultural - o homem foi ensinado a ser forte e, por isso, tende a não ser reconhecido em seu sofrimento e não dar atenção às suas angústias;
  • mito da maternidade - a expectativa de que a chegada do bebê traga apenas um estado de plenitude e realização, sem levar em conta o cansaço envolvido na tarefa e muito menos a consciência de que sentimentos negativos e ambivalentes também são comuns a esse período;
  • exclusividade feminina - a ideia de que a gravidez é algo exclusivo da mulher, assim como a atenção familiar, o acompanhamento médico pré e pós-natal.

Se você acabou de se tornar pai e está sentindo algum dos sintomas de depressão, é muito importante que procure o auxílio de um psicólogo ou médico. E isso não é sinal de fraqueza, vergonha ou de que você está ficando louco. O contrário! Essa atitude significa amor e compromisso pela sua família.

 

Fatores de risco associados à Depressão Pós-Parto Masculina

Conheça situações que podem favorecer a ocorrência da doença:

  • gestação não planejada;
  • pouca idade do pai (15 a 24 anos);
  • baixo nível socioeconômico
  • doenças psiquiátricas anteriores ou durante a gestação.

Artigos Relacionados

Um teste rápido sobre a sua gestação

Responda, para si mesma, as perguntas abaixo e reflita sobre a sua gestação. Encarar problemas, medos e dúvidas é o primeiro passo para superá-los.

Astral em risco

Nem sempre o pós-parto é pura alegria. Muitas mães sentem-se desconectadas por motivos que vão de uma melancolia passageira à depressão.

Quando cai a tempestade

A depressão pós-parto pode prejudicar a ligação afetiva da mãe com o bebê e, indiretamente, o desenvolvimento dele.