Criança estressada aprende menos

Pesquisas revelam que o estresse é tóxico para as células do cérebro

13 a 18 meses

Desenvolvimento

Brigas na família, gritos, negligência, maus tratos, medo: a falta de afeto no lar é como veneno para o desenvolvimento neurológico das crianças. Diversos estudos têm indicado que, exposto a esse tipo de estresse, o cérebro perde capacidade de aprendizado. Isso porque a adversidade provoca a ativação excessiva de partes do cérebro sensíveis ao estresse. Em resposta à situação estressante, o cérebro produz grandes quantidades de substâncias químicas como o cortisol que, a longo prazo, têm efeitos nocivos sobre os neurônios (as células cerebrais). Existe até um termo médico para essa condição: “estresse tóxico precoce (ETP)”.

As pesquisas indicam que a exposição precoce e repetida a sentimentos como medo e ansiedade não gera apenas problemas emocionais mas compromete, também, a memória, a capacidade de raciocínio e o autocontrole. O resultado se observa quando a criança entra na escola: as crianças com problemas na família tendem a ser mais agitadas e indisciplinadas. Elas têm, muitas vezes, problemas de comportamento e dificuldades de aprendizado. Não é culpa delas! É, apenas, o resultado de anos de carência de afeto, desde as primeiras horas de vida.

Reverter essa situação é possível, mas é mais difícil, pois o cérebro já está condicionado pelo estresse. Mais fácil é prevenir, proporcionando à criança ambiente tranquilo e afetivo. Muitas vezes os adultos agridem as crianças sem nem perceber. Por isso, evite falar de maneira ríspida e agressiva com ela, evite gritar e, sobretudo, nunca bata em seu bebê. Existem maneiras mais efetivas de educá-la. Disciplina e afeto não são incompatíveis.

E se você perceber que está descontando nas crianças o estresse e a ansiedade que traz do ambiente de trabalho, do trânsito ou, mesmo, das relações familiares, busque ajuda enquanto é tempo. Para criar bebês saudáveis e equilibrados emocionalmente, é preciso que os adultos também estejam bem consigo mesmos.

Artigos Relacionados

Bem me quer...

Não é hora para rivalidades. Pai, mãe e também avó, tia, babá, irmãozinho – há lugar para todos no universo afetivo do bebê.

De que morrem as crianças brasileiras?

Ninguém gosta de falar nesse assunto. Mas, sabendo dos riscos, você pode proteger melhor o seu filho.

Estimular o bebê é fundamental; saiba quanto e como fazer isso

Bebê que recebe estímulos desde cedo se desenvolve melhor. Mas, evite exageros!