Assento infantil não é luxo, é necessidade!

E deve ser usado logo na saída da maternidade

Gravidez

Segurança

Segurança no trânsito é coisa muito séria. O trânsito ainda é o responsável pelo maior número de mortes de crianças por acidentes no país. A partir do primeiro ano de idade o trânsito mata tanto ou mais crianças e jovens brasileiros do que as principais doenças. Segundo o Datasus, em 2013 1.791 crianças de até 14 anos morreram vítimas de colisões e atropelamentos. Felizmente, hoje já se tem conhecimento de medidas preventivas capazes de atenuar esse verdadeiro massacre.

A primeira coisa que você precisa fazer é cumprir as regras básicas para o transporte seguro de crianças no automóvel: o assento de segurança certo, no lugar certo, na hora certa, da maneira certa!

 

De costas para o motorista

Nos primeiros meses e até os dois anos de idade, os especialistas recomendam que o bebê deve viajar de costas para a direção de deslocamento do carro. A cadeirinha deverá estar presa ao banco pelo cinto de segurança do veículo ou pelo sistema de ancoragem Isofix, que estará disponível no Brasil a partir de 2015. Para testar sua efetiva fixação, dobre uma perna e apoie o joelho em seu assento e puxe com força. Revise periodicamente para observar afrouxamento ou desconexão do equipamento.

O tecido que reveste o assento deve ser resistente e macio, além de não esquentar com facilidade.

A partir do momento em que a cadeirinha ficar pequena para a criança ou sua cabeça ultrapassar o limite superior da cadeira, você precisa adquirir um novo modelo. A criança nunca deve utilizar a faixa transversal atrás dos braços ou colocá-la nas costas, já que o uso exclusivo da faixa abdominal não garante a proteção do tronco.

Estão disponíveis no mercado diversos modelos de assentos de segurança específicos para cada tamanho, desde o nascimento até o momento em que o adolescente atinge 1,45m de altura, quando, então, já pode utilizar o cinto de segurança. O fundamental é que o assento escolhido tenha o selo de certificação do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia), o que garante a sua segurança. Mas é igualmente importante que seu filho viaje no banco traseiro até os treze anos de idade e que você instale o assento seguindo rigorosamente as instruções do fabricante.

 

Usar cinto de segurança é costume que se aprende dos pais

Pais que dão aos filhos bons exemplos, obedecendo às regras de trânsito e usando o cinto de segurança assim que entram no carro, mesmo que seja apenas para manobrá-lo na garagem, não terão problemas em ensinar seus filhos a manter o hábito iniciado desde o nascimento. E, assim, terão a garantia de um transporte seguro e eficiente para suas crianças, além de ensiná-las, desde pequenas, a serem cidadãos responsáveis.

Artigos Relacionados

Sinais de alerta

Descobrir traços de sangue na calcinha exige atenção, mas não é motivo de pânico nem significa que a gravidez está em risco.

Dorzinha estranha

Sensações estranhas na barriga são praticamente uma regra na gravidez e até algumas dores podem ser normais. Outras exigem atenção.

A mãe é a pessoa que melhor conhece o bebê

É ótimo receber ajuda para cuidar do bebê. Mas confie também em sua própria capacidade! E, na dúvida, prefira os conselhos dos médicos.