Afogamento: todo cuidado é pouco

Perto de água, nem que seja em um balde, não tire os olhos do bebê!

13 a 18 meses

Segurança

É assustador, mas bastam 10 segundos para que o bebê deixado na banheira fique submerso na água. Em dois minutos, ele perderá a consciência e após quatro a seis minutos poderá ficar com sequelas neurológicas para sempre.

Os afogamentos ou acidentes por submersão representam a segunda causa de morte, por acidentes, de crianças e adolescentes de 0 a 14 anos no Brasil. As crianças até 4 anos de idade, diferentemente dos adultos, têm como partes mais pesadas do corpo a cabeça e os braços, o que faz com que elas se desequilibrem facilmente quando se inclinam para a frente. Como consequência, elas se afogam em baldes com água, vasos sanitários, piscinas praticamente vazias, caixas d’agua e mesmo em superfícies com poucos centímetros de água, quando caem e não conseguem se levantar.  

A maioria desses acidentes com bebês acontece dentro ou ao redor da casa, de forma rápida e silenciosa. Depois, à medida que a criança cresce, os locais de ocorrência desses acidentes passam a ser praias, rios, lagoas, valas de irrigação, etc. E é triste saber que o maior fator de risco de morte por afogamentos é a falta de supervisão da criança por um adulto.  

 

Saiba as 4 principais medidas para evitar mortes por afogamento:

  • Remover ou cobrir os reservatórios de água: esvazie banheiras e baldes após o uso. Até mesmo o vaso sanitário deve ser mantido tampado e, de preferência, com trava na tampa.
  • Isolar piscinas e outros reservatórios de água. Feche o acesso à piscina com cercas. Deixe fechados, também, os acessos a banheiro e lavanderia.
  • Usar coletes salva vidas quando levar o bebê à piscina: braçadeiras e boias infláveis não oferecem proteção contra afogamento, pois podem esvaziar a qualquer momento. E mesmo de colete, o bebê deve ficar sempre a um braço de distância de um adulto.
  •  Dar os primeiros socorros imediatos: pais e responsáveis devem aprender manobras de ressuscitação cardiopulmonar. É muito importante saber agir numa emergência.

 

Crianças devem aprender a nadar a partir dos 4 anos

Mas saiba que crianças se desenvolvem em ritmos diferentes e nem todas estão prontas para aprender a nadar na mesma idade. Há evidências de que crianças de 1 a 3 anos de idade, que já tiveram aulas de natação, afoguemmenos. A decisão de matricular a criança em aulas de natação é individual e deve considerar a frequência com que a criança é exposta à água, suas habilidades físicas, emocionais e a predisposição a certos problemas de saúde, como infecções relacionadas à água da piscina e produtos químicos. Mesmo a criança que aprendeu a nadar precisa de supervisão. Aulas de natação não tornam a criança, de qualquer idade, "a prova de afogamento”.

 

Veja também

Artigos Relacionados

O risco de infecção urinária

Fazer xixi a toda hora e só um pouquinho de cada vez é o de menos. Preocupante é o risco de infecção urinária, que aumenta na gravidez.

Cabelos bonitos sem tanta química

Sua rotina de beleza não precisará de mudanças radicais na gravidez. Mas os tratamentos para cabelos são críticos no primeiro trimestre

Como dar remédio ao bebê da maneira mais segura?

O mesmo medicamento que cura também pode prejudicar a saúde, se não forem tomadas algumas precauções.